sábado, 10 de abril de 2010

PLANO DE AULA

Professor : Planos de aula AutorCarlos Eduardo FerrariAssessor de Educação Física e Esportes Pueri Domus Escolas Associadas esportes@pdea.com.br Série 1ª a 4ª séries
Tempo necessário Quatro aulas
Introdução
O princípio da inclusão é o eixo fundamental que deve nortear toda a ação pedagógica da Educação Física escolar, sendo uma de suas funções introduzir e integrar o aluno no que hoje denominamos "cultura corporal de movimento". Assim, seja na sistematização de conteúdos ou no processo de ensino e aprendizagem, o professor deve criar condições que se contrapõem à visão histórica dessa área de valorização do desempenho técnico e físico dos alunos. Objetivos
Espera-se, com as atividades aqui propostas, que o aluno seja capaz de produzir, reproduzir e transformar atividades de forma a poder participar delas, usufruindo dos jogos, dos esportes, das danças, das lutas e das ginásticas, em benefício da qualidade de vida.
Recursos didáticos
Espaço aberto, onde as crianças possam se deslocar livremente Uma corda de sisal e um espaguete de isopor GizOrganização da sala
Concentre os alunos em um círculo para passar a informações iniciais Lembre-se de que passaremos de uma atividade com características de exclusão para uma atividade de inclusão. No final da aula, retome com os alunos os avanços e as mudanças ocorridas na atividade. Desenvolvimento da atividade/ procedimentos
Brincadeira : Quebra-CanelaAdaptação da tradicional brincadeira de pular corda.
Primeira aula
Aqui está evidenciado um padrão de atividade que preza a valorização do desempenho das habilidades e coordenações
Coloque todos os alunos em coluna no fundo da quadra. Se não houver marcação de círculo no centro da quadra, desenhe um. Pegue a corda de sisal e dirija-se ao centro do círculo. Um aluno de cada coluna por vez dirige-se ao círculo. Gire a corda rente ao solo. Peça que os alunos saltem a corda, ultrapassando-a, evitando que a corda bata em sua perna. Aquele que for apanhado primeiro pela corda perde, cedendo um ponto para a outra equipe.
Segunda aula
Depois de verificar as dificuldades, proponha mudanças a fim de possibilitar condições para que todos participem
Dessa vez, todos os alunos devem ficar lado a lado no círculo. Coloque-se no centro, com um espaguete de espuma ou algo similar nas mãos. Inicialmente brinque com os alunos. Diga que eles devem abaixar quando o espaguete passar sobre suas cabeças. Logo em seguida, ponha o espaguete no chão e o gire rente ao solo em uma velocidade suficiente para que consiga controlar os saltos que as crianças terão de executar quando o objeto se aproximar. Em vez de evidenciar os que têm maiores dificuldades, sugira que aqueles que forem pegos pelo espaguete devem dar um passo para fora do círculo e voltar assim que outro seja apanhado. Dessa forma, o aluno permanece fora da brincadeira durante pouco tempo. Como ele retornará em breve, seu interesse será mantido por um bom período.
Terceira aula
Peça para as crianças compararem as formas apresentadas de brincar Quebra-canela
Repita o procedimento da segunda aula. Substitua o espaguete pela corda de sisal, aumentando a intensidade da atividade. Mantenha os alunos no círculo e a corda girando sob seu controle. Inserido na atividade, você terá condições de controlá-la, propondo diferentes situações e auxiliando os alunos a vencer dificuldades.
Conteúdo programático
Conceitual Entender e participar das atividades sem excluir Elaborar novas brincadeiras para incluir demais colegas Compreender os fatores de risco presentes nas atividades
Procedimental Coordenação motora de braços e pernas Domínio do esquema corporal Noção de espaço e tempo Capacidade física
Atitudinal Participar com empolgacão das atividades Ter solidariedade com os colegas com dificuldades Apresentar disposição para superar dificuldades Aceitar as regras do grupo
Avaliação
A avaliação deve focar o procedimento da atividade, percebendo a evolução do aluno frente às suas dificuldades. Observe em que conteúdos e como o aluno evoluiu e onde precisa de maior auxílio. Se for preciso, retome seu planejamento até que o aluno com dificuldade adquira condições para não somente participar das atividades mas também reproduzi-las, compará-las e transformá-las.
Toque do professor
O princípio da inclusão não significa apenas manter todos os alunos fazendo. Lembre-se de que incluir é incluir no saber fazer e não simplesmente no fazer. Quando incluímos o aluno no processo de ensino e aprendizagem estamos possibilitando a ele o direito de experimentar algo novo. No exemplo da brincadeira Quebra Canela, as mudanças aconteceram no conceitual da atividade, ou seja, no entendimento do fazer, porém o procedimental que é pular corda continuou acontecendo. Bibliografia
Brasil.Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física/Secretaria de Educação Fundamental. - Brasília: MEC,1998.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário